>

28/09/2017

INSS: Planejamento deve liberar autorização para novo concurso. Níveis médio e superior.

Nesta semana, durante entrevista ao portal G1, o assessor especial do Ministério do Planejamento, Arnaldo Lima Junior, trouxe uma notícia muito boa para todos os concurseiros: a partir de 2019 devem ser retomadas as autorizações para concursos federais. E em meio a isso, um dos órgãos que deve entrar na lista das liberações é o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), ainda mais que sofre com defasagem de pessoal e é um dos maiores desafios do país por conta da grande demanda de atendimento.

Apesar de não ter encaminhado neste ano um pedido para a abertura de seleção, o instituto precisa repôr o seu quadro de servidores o mais rápido possível. Um dos motivos é que dados recentes apontaram que aproximadamente 42,8% dos seus funcionários se aposentarão até 2027.

Vale lembrar que a categoria pleiteia constantemente a realização do concurso do INSS. Recentemente a Federação Nacional de Sindicatos de Trabalhadores em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social (Fenasps) chegou a inserir na pauta o tema “concurso público já!”. Em junho, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social (CNTSS) encaminhou ao MPDG um documento no qual informa que um dos seus assuntos reivindicados é a abertura de nova seleção.

Parte do documento enviado pela CNTSS apresenta o seguinte: “Recomposição da força de trabalho nos quadro de servidores do INSS; É grave a situação do contingente de pessoal, no INSS, para o atendimento da demanda diária por serviços em suas Unidades, tanto nas unidades de atendimento ao público, quanto nas unidades administrativas. Com o crescente número dos pedidos de aposentadoria de servidores, no órgão, os impactos para a categoria é o aumento do adoecimento no trabalho, em função da sobrecarga de atividades. Urge que sejam chamados, em sua totalidade, os classificados no último concurso do INSS (800 Técnicos do Seguro Social e 150 Analistas do Seguro Social), bem como a autorização de novo concurso público para o INSS, recompondo a estrutura do quadro de servidores, tanto no atendimento ao público, quanto para a área administrativa, responsáveis por manter em funcionamento a prestação dos serviços públicos aos usuários da Previdência Social. O cenário é de aproximadamente de 34% do quadro de servidores do INSS, em abono de permanência. Efetivada a aposentadoria, o INSS entrará em colapso, sem condições de atender à população e aos órgãos de controle”.

Estudos para o concurso do INSS

Mesmo com projeção para acontecer em 2019, os interessados no concurso do INSS precisam iniciar os estudos o mais rápido possível, já que o seu conteúdo costuma ser bem extenso e uma pergunta pode fazer toda a diferença na hora do resultado. Inclusive o assessor Arnaldo Lima Júnior chegou a dizer para os concurseiros não “tirem o pé” e mantenham o foco nos estudos.

A 1ª colocado no certame do ano passado deu um depoimento ao JC Concursos falando sobre a sua trajetória até conseguir a aprovação. Você pode conferir o conteúdo aqui.

Último pedido de concurso do INSS

No ano passado, o instituto solicitou ao Planejamento um total de 7.051 postos distribuídos entre as carreiras de técnico do seguro social, analista do seguro social e perito médico previdenciário.

Das oportunidades, 3.627 foram para a carreira de técnico, que pede apenas ensino médio. A remuneração inicial da categoria é de R$ 5.344,87, já considerando o auxílio-alimentação de R$ 458.

As demais chances solicitadas foram para os empregos de analista do seguro social, com 1.894 postos, e perito médico previdenciário, com 1.530.

No caso de analista do seguro social, para concorrer é necessário possuir formação superior em diversas áreas, incluindo serviço social, administração, engenharia, direito, pedagogia, psicologia, comunicação, ciências sociais, arquitetura e letras, entre outras. A remuneração inicial é de R$ 7.954,09, contando com o benefício.

Por fim, para o cargo de perito médico previdenciário, os interessados devem possuir graduação em medicina e registro no respectivo conselho regional. O inicial é de R$ 8.988,41, também com o auxílio.

Defasagem de pessoal no INSS

Atualmente, o órgão conta com uma defasagem de quase 20 mil servidores em todo o país, sendo que o maior déficit é para a função de técnico. Com esse quadro, o INSS não consegue atender com eficiência à população.

A situação ainda está mais crítica porque o governo federal diminuiu os recursos para o instituto. Consta no site da Fenasps que um técnico do seguro social, não identificado, comentou que o cenário está caótico: “Falta dinheiro para tudo. Estamos operando no limite da irresponsabilidade. Não por acaso, as pessoas têm reclamado demais do atendimento. O estresse é total”.

Fonte: JC Concursos
Tags:

Mensagem enviada com sucesso