>

05/12/2017

Sem concurso, PRF pode entrar em colapso em 2018

Em declaração à imprensa, no último dia 1º de dezembro, o diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Renato Antônio Borges Dias, disse que a corporação pode entrar em colapso, no decorrer de 2018, caso não seja autorizada a realização do seu novo concurso público. De acordo com ele, a carência de pessoal, que atualmente já é de 2.800 policiais, deve chegar a 4.800 até o final do próximo ano, em decorrência de aposentadorias, o que reforça a necessidade de nova seleção para repor o efetivo, o quanto antes. Ele ressalta que estão projetadas nada menos do que 2.053 aposentadorias para 2018.

Além de prejudicar as atividades operacionais, a falta de pessoal deverá acarretar o fechamento de 124 postos no país, caso o concurso não seja autorizado. Caso isso ocorra, aproximadamente 400 municípios serão prejudicados, com a suspensão de policiamento em 18 mil quilômetros de rodovias.

Enquanto isso, o pedido de autorização do certame continua parado no Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MPDG) onde, desde o dia 1º de junho, se encontra em análise na Divisão de Concursos Públicos.

A necessidade de pessoal é tanta que a Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) tem buscado apoio junto ao Congresso Nacional, no sentido de pressionar o governo a atender algumas necessidades da categoria, incluindo a reposição de quadros, por meio de novo concurso público.

Segundo informações do próprio sindicato, o pedido que tramita no MPDG é para o preenchimento de 2.778 oportunidades, o que corresponde a apenas um pouco mais que o total de aposentadorias previstas para o próximo ano. .

De acordo com a FenaPRF, o órgão tem pretensão de formar quatro novas turmas ainda em 2018. A PRF argumentou em seu pedido que nos últimos quatro anos uma grande quantidade de servidores se aposentou o que deixou uma lacuna de quase 3.000 postos e que isso tem prejudicado a segurança nas rodovias.

No mesmo memorando encaminhado ao Planejamento, foi sugerido que seja autorizado um concurso público sempre que o número de postos vagos exceder a 5% dos respectivos cargos ou com menor número, de acordo com a necessidade e critério do Ministério da Justiça.

Vale lembrar que, no sentido de agilizar o processo, a PRF já conta com uma minuta do edital pronta, elaborada desde o final de 2016, com o objetivo de permitir que o concurso possa ser iniciado imediatamente após a eventual autorização do MPDG.

Para concorrer ao cargo de policia rodoviário é necessário possuir curso de nível superior em qualquer área de formação, além de carteira de habilitação a partir da categoria “B”. A jornada de trabalho dos servidores é de 40 horas semanais.

Fonte: JC Concursos
Tags:

Mensagem enviada com sucesso