>

24/03/2015

Correios: edital sai até julho

Os Correios (Empresa Brasileira de Correios Telégrafos – ECT) pretendem lançar o tão esperado concurso, destinado ao provimento de diversos cargos, nos próximos meses. A intenção do órgão, na verdade, é iniciar as contratações em julho.

De acordo com a assessoria de imprensa dos Correios, o concurso que será lançado vai ser voltado para contratação por prazo determinado para substituição de mão-de-obra temporária. A validade do contratos seria entre 12 e 60 meses, como sinalizou Wagner Pinheiro de Oliveira, presidente do órgão, em entrevista ao jornal “O Dia” em fevereiro.

Informações da assessoria indicam que a realização do processo seletivo “ocorrerá após discussões entre a empresa e representações sindicais nas reuniões do Sistema Nacional de Negociação Permanente nos meses de abril e maio”. A assessoria dos Correios ainda indicou que outro concurso poderá ser lançado ainda este ano, nesses mesmos moldes.

Ainda não há informações sobre quais locais serão lotadas as vagas deste certame e nem para quais oportunidades serão. A questão é que o concurso precisa ser agilizado, pois a empresa sofre com escassez de mão de obra.

Falta de profissionais

Na última quinta-feira (12/2), foi noticiado na EPTV Campinas, emissora televisiva afiliada à Rede Globo, que a ECT apresenta uma grande defasagem de pessoal, o que provoca atraso na entrega das correspondências. Fora isso, a reportagem mostrou que devido a esse fato os Correios já estariam preparados para a realização de um processo seletivo.

Nesta semana, a assessoria de comunicação dos Correios confirmou tal informação por meio da seguinte nota

Somente na microrregião de Campinas há mais 2,5 milhões de cartas paradas. Para o Sindicato dos Trabalhadores em Correios e Telégrafos de Campinas, o órgão necessita de pelo menos 2.000 profissionais na região, sendo 1.400 carteiros.

Os Correios percebem a falta de trabalhadores desde que a Justiça impediu que os contratos dos terceirizados fossem renovados. Uma solução para o problema seria a realização do tão aguardado concurso público.

O superintendente de gestão de pessoas dos Correios, Afonso Oliveira de Almeida, disse que “na reivindicação da regional [de Campinas] o déficit é de 478, nós vamos nos acertar para ver qual é o número correto para poder publicar o edital”.

Histórico

Em 2014, a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect) apontou que a ECT tem um grande índice de defasagem de pessoal. A instituição divulgou que os Correios têm uma carência de 70 mil funcionários, sendo que, desse total, estão inclusos 30 mil profissionais terceirizados a serem substituídos.

A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos não tem se manifestado sobre o assunto e, devido a isso, os sindicatos estão se mobilizando para conquistar a abertura do novo concurso, além de melhores condições de trabalho.

O Sindicato dos Trabalhadores em Correios e Telégrafos do Rio Grande do Sul (Sintect/RS) quer que a ECT contrate 40 mil profissionais em âmbito nacional. Em seu site, o sindicato diz o seguinte: “lutar por concurso público é uma necessidade urgente, pois o próximo passo depois de precarizar os serviços com medidas como a entrega alternada, de destruir nosso plano de saúde, saquear o plano de previdência é justamente cortar custos com quem de fato carrega essa empresa nas costas, os trabalhadores e trabalhadoras”.

De acordo com o secretário de Imprensa, Divulgação, Cultura e Eventos do Sintect/RS, Nilson Baldez, os Correios precisam abrir o mais rápido possível um novo concurso, principalmente, para a função de carteiro. Baldez comentou que nos últimos meses muitos servidores saíram do órgão por aderirem ao Plano de Demissão Voluntária, o que provocou aumento na defasagem de pessoal.

O secretário de imprensa do Sintect/RS ainda explicou que muitos carteiros estão afastados por doenças e, junto com a falta de profissionais, isso acarreta no atraso das correspondências, principalmente, nas faturas.

Outro ponto que os sindicatos dos trabalhadores dos Correios vêm discutindo está relacionado à contratação de profissionais temporários, ao invés de efetivos, por meio de processos seletivos.

Substituição dos terceirizados

O Ministério Público do Trabalho (MPT) entrou na Justiça, em 2013, após a constatação de que os Correios contratam profissionais terceirizados para atuar em cargos efetivos. Na Ação Civil Pública (ACP), o MPT questionou a ECT sobre a não-convocação dos candidatos classificados no cadastro reserva da última seleção, que ocorreu em 2011.

Inicialmente, a audiência do julgamento da ação ocorreria em 15 de abril, mas foi remarcada várias vezes, na seguinte ordem: 22 de maio, 13 de junho, 4 de julho, 2 de outubro, 29 de outubro e 19 de novembro.

No dia 19 de novembro de 2014, a juíza Audrey Choucair Vaz, da 15ª Vara, prorrogou a validade do concurso público de 2011 e determinou que os Correios apresentassem em até seis meses um estudo com o dimensionamento de seu quadro de pessoal. A partir dos dados levantados, a ECT deveria fazer as contratações necessárias que estariam no documento; a princípio, tais vagas seriam preenchidas pelos concursandos da seleção de 2011, mas se o número de aprovados for menor, os postos vagos deveriam ir para novo concurso.

De acordo com a magistrada, a prorrogação foi deferida com o seguinte argumento: “a despeito de tais candidatos terem se submetido a concurso público para formação de cadastro de reserva, tal modalidade de concurso pressupõe que, havendo a necessidade permanente de pessoal, aqueles aprovados no cadastro de reserva serão chamados para formalização do contrato de trabalho”. Para chegar à sentença, a juíza se baseou no fato de que a contratação de trabalhadores terceirizados pode ocorrer por prazo definido ou transitório e não como vinha acontecendo, pois os terceirizados ocupavam os postos por tempo indeterminado.

Em dezembro do ano passado, o departamento de imprensa dos Correios havia informado que a empresa apresentou um embargo declaratório à Justiça om a finalidade de esclarecer alguns postos da decisão. Somente após a análise deste recurso a ECT encaminhará outro para, de fato, pleitear reforma da sentença.

Novo concurso dos Correios

Anteriormente, os Correios haviam confirmado ao JC que o próximo processo seletivo terá chances para as colocações de carteiro, operador de triagem e transbordo, atendente comercial e analista. Com exceção do analista, que necessita nível superior, os demais empregos requerem ensino médio completo.

Os vencimentos partem de R$ 1.084,35 e chegam a R$ 4.039,75, sem o acréscimo dos benefícios. Além dos salários, os Correios oferecem vale-alimentação de R$ 27 por dia, cesta-básica de R$ 158, plano medicamento, auxílio-creche ou auxílio-babá, auxílio para filhos dependentes pessoa com deficiência, assistência médica e odontológica ambulatorial extensiva aos seus dependentes legais e vale-cultura, plano de carreira estruturado e possibilidade de ascensão e desenvolvimento profissional.

Última seleção dos Correios

Os Correios lançaram, em 2011, um edital com 9.190 oportunidades distribuídas entre as carreiras de carteiro, atendente, operador de triagem e transbordo, analista de correios, médico do trabalho, auxiliar de enfermagem do trabalho, técnico em segurança do trabalho, analista de saúde, engenheiro de segurança do trabalho e enfermeiro do trabalho.

As vagas foram lotadas em todos os Estados brasileiros e as remunerações iniciais oscilaram entre R$ 1.003,57 e R$ 3.211,58, sem incluir os benefícios oferecidos pela instituição.

Organizado pelo Cespe/UnB, este último processo seletivo dos Correios constou de provas objetivas compostas de 120 questões, sendo 50 de conhecimentos básicos – divididas nos temas de língua portuguesa, inglês (para alguns cargos), informática e administração pública – e 70 de conhecimentos específicos.

Fonte: JC Concursos
Tags:

Mensagem enviada com sucesso