>

04/05/2020

10 técnicas de como estudar para concursos públicos

Estudar é uma das principais ações que devem ser tomadas por quem deseja passar em um concurso público. É a partir do estudo que o candidato obtém os conhecimentos necessários para a prova e também para o exercício de seu cargo. Para potencializar um resultado positivo, existem técnicas de estudos para concurso que podem fazer suas chances de sucesso aumentarem!

Mas antes mesmo de começar com as técnicas, é preciso saber o que estudar. Por isso, reforçamos que, apesar de ser chato ou maçante, é muito importante ler o edital do concurso no qual você irá participar. Lá estão todas as informações necessárias, entre elas o conteúdo programático das provas, ou seja, as disciplinas que serão cobradas.

Depois que você leu o edital e já sabe tudo o que vai cair na avaliação, aí sim é preciso começar a pensar em formas de se estudar. Confira quais são as melhores técnicas de estudos para concursos:

1. Estudo intercalado e distribuído

Para estudar é preciso ter uma organização. Por isso, é fundamental que você crie um cronograma de estudos. Dentro do cronograma deve constar as matérias que irão cair no concurso, sendo que a quantidade de horas dedicadas deve variar de acordo com a importância da disciplina. Quanto mais importante, mais tempo você deverá dedicar.

E como saber qual matéria é mais importante? Simples. Leia o edital. Lá terá a quantidade de questões e as pontuações de cada disciplina.

Na internet, existem vários modelos de tabelas com cronograma. Mas, o ideal é você montar o seu de acordo com as suas necessidades e também com o tempo que você tem disponível.

Aqui vai uma dica: o recomendado por especialistas é dedicar 45 minutos de estudos para uma disciplina e, em seguida, fazer uma pausa de 5 minutinhos. Dessa maneira, você não se desgasta e consegue absorver melhor o conteúdo. Após a pausa, comece a estudar uma matéria complementar, não o mesmo conteúdo que já estudou nos primeiros 45 minutos.

Intercale o estudo com alguma disciplina de exatas, tudo para ativar ainda mais seu cérebro. É por isso que o nome desta técnica de estudo para concurso se chama se chama “intercalado e distribuído”.

Para quem tem mais tempo livre e pode se dedicar exclusivamente aos estudos, por exemplo, um cronograma possível poderia ser assim:

2. Marcações nos textos

Se você é do tipo de pessoa que retém conhecimento durante a leitura e faz questão de estar com um material impresso em mãos, a nossa dica é bem simples, mas pode te ajudar bastante.

Enquanto você for lendo o texto, vá marcando as partes que entender serem as mais importantes, preferencialmente com um marcador de texto amarelo. (essa cor ajuda na memorização) Sempre que possível, também faça anotações com lápis ou mesmo caneta daquilo que você acha relevante.

Por ser uma técnica simples e, de certa forma, introdutória, recomenda-se que o estudante a junte com outras formas de estudo. Durante a revisão, técnica que ainda vamos detalhar aqui na matéria, essas marcações podem te fazer ganhar um bom tempo.

3. Criação de resumos

Sabemos que tem pessoas que nem gostam de ouvir falar sobre resumos. No entanto, ela é uma das técnicas mais eficazes de aprendizado já criadas, pois o resumo faz com que você vá selecionando as partes mais importantes do conteúdo

E lembre-se: o resumo tem uma grande vantagem em relação às apostilas e textos que você lê para estudar já que ele foi escrito com suas próprias palavras. Quem é melhor do que você mesmo para te explicar algo? Acredite, fazer resumos colabora muito na fixação de novos conteúdos!

4. Mapas mentais

Podemos descrever os mapas mentais como os resumos da mente. Por meio deles você consegue criar atalhos para relacionar conteúdos e assim gerar fluência em seus estudos. Para se criar um mapa mental é preciso ter uma ideia central ou palavra-chave primeiro.

Exemplo de ideia ou palavra-chave: se você estiver estudando Língua Portuguesa, pode colocar como ideia principal a palavra “artigo”. Em seguida pode fazer ramificações para artigos definidos e indefinidos, depois outros galhos para separar entre masculino e feminino e, por fim, identificar se a palavra está no plural ou no singular.

O objetivo é sair de uma ideia generalista para uma mais específica e que ao mesmo tempo é relacionada a todas as outras anteriores, passando por etapas e conceitos.

Apesar do nome, é interessante que você faça primeiro o mapa mental de forma física, seja ela em papel ou no computador. Literalmente escreva ou desenhe a ideia central que você deseja e depois as suas ramificações. Somente após visualizar é que você conseguirá criar uma réplica do mapa em sua cabeça.

5. Faça perguntas e domine o conteúdo

Primeiro, precisamos ressaltar que aprender e decorar são coisas totalmente diferentes. Quando se aprende algo, você nunca esquece e pode usar o conhecimento obtido até para outras áreas da vida. Já quando você decora, é possível esquecer e por vezes, por mais que você decore a informação, em alguns casos você não irá saber como utilizá-la.

Sendo assim, é muito importante que você aprenda e não decore o conteúdo. Quando alguém domina alguma área de conhecimento, ela se torna fácil e bastante lógica. E para aprender algo, é imprescindível que você faça perguntas sobre aquilo que está tentando entender.

Aqui, nós apresentamos as seis principais perguntas que você deve fazer sobre cada conteúdo novo:

– O quê?
– Quem?
– Quando?
– Onde?
– Como?
– Por quê?

Quer ver só como essas seis questões podem estar presentes sem você perceber? Vamos pegar o exemplo de uma lei e fazer as perguntas.

– O que é a lei?
– Quando a lei foi criada?
– Quem criou a lei e quem pode ser afetado por ela?
– Onde a lei é válida?
– Como a lei pode influenciar alguém?
– Por que a lei foi criada (qual o objetivo dela)?

Se você conseguir responder essas seis perguntas sobre o seu conteúdo, quer dizer que você passou a dominá-lo e a entendê-lo profundamente.

Essa técnica é tão importante que não é só utilizada para se estudar para concursos. Em algumas profissões, como a de Jornalista por exemplo, as perguntas são importantíssimas para se produzir uma notícia ou reportagem.

6. Memorização

Sozinha, a técnica de memorização não tem muito efeito. Todavia, aliada a um estudo de qualidade, ela pode te proporcionar bons resultados. Você pode fazer a memorização por meio de cartões, post-its, bloquinhos de nota, cartazes e qualquer outra forma que você julgar interessante.

O importante é que você tenha conceitos de forma resumida, preferencialmente utilizando palavras-chave.

Mas, lembre-se. Por mais que você tenha decorado, procure entender o conteúdo, pois, como dissemos anteriormente, aprender vale mais do que decorar. E no caso, a memorização é apenas uma etapa do processo de aprendizagem.

7. Grave uma aula sua

Essa técnica agora vai parecer um tanto quanto estranha ou mesmo bizarra, mas possui um alto grau de eficiência. Depois que você estudou o seu conteúdo, que tal dar uma aula sobre ele? Calma. Não estamos falando para você necessariamente se reunir com outras pessoas e tentar explicar o que aprendeu a elas.

Você pode pegar um celular e gravar a sua aula. Depois disso, veja a gravação e perceba se você conseguiu transmitir os conhecimentos do que foi estudado. A transmissão de um conhecimento adquirido, quando feita com clareza, é um sinal de que que você aprendeu aquilo.

E claro, aproveite para dar algumas risadas de você mesmo dando aula. Acredite, momentos assim também ajudam, já que é preciso descansar e renovar o humor para se manter focado, estudando.

8. Faça testes práticos

Uma das técnicas principais, praticamente obrigatórias para se estudar para um concurso, é a resolução de questões. Sempre que possível, faça provas, testes ou simulados.

Um detalhe importante que pode parecer meio redundante abordar, mas que mesmo assim fazemos questão de pontuar: lembre-se de conferir o gabarito das questões resolvidas e anotar sua taxa de acerto. Afinal, só assim você consegue identificar seus pontos fracos e fortes e analisar sua evolução.

9. Revise o conteúdo

Por fim, é muito importante que você revise o que estudou. Revisar é simplesmente o ato de reforçar aquilo que foi aprendido.

Algumas técnicas como a de se marcar o texto, criar resumos e fazer mapas mentais, colaboram bastante para o momento em que se revê o conteúdo aprendido.

Durante a revisão, fique atento aos seguintes pontos: se você demorar muito ao fazer a revisão ou em algum momento não se lembrar de partes importantes, é uma forte indicação de que seus estudos não foram feitos da maneira correta e é preciso destinar um maior esforço e mais dedicação.

Ou seja, de certa maneira, a revisão servirá como um filtro do conteúdo e também um indicador do progresso do seu estudo.

10. Tenha bom senso quando for estudar

Apesar de termos demonstrado várias técnicas de estudo, você não necessariamente precisar seguir todas. Cada indivíduo aprende melhor de uma maneira. Às vezes você gosta de ver vídeos em vez de ler. Ou então não se sente confortável em gravar uma aula.

É até possível criar o seu próprio jeito de estudar baseado na sua rotina, pois cada um leva a vida de um jeito diferente. Não tente seguir à risca tudo o que falamos no artigo. Procure sempre adaptar as informações à sua realidade. Tudo depende de você!

O que a gente indica com 100% de certeza que vai funcionar é que, acima de tudo, você tenha bom senso na hora de estudar. Não exagere para não ficar cansado e também não acredite que você já conhece 100% um conteúdo. Sempre há espaço para saber mais.

Portanto, faça um balanceamento saudável das técnicas de estudo ao longo de sua rotina e procure observar as necessidades tanto do seu corpo, quanto da sua mente. Tendo um equilíbrio, suas chances de passar no concurso aumentam muito.

Fonte: Concursos no Brasil
Tags:

Mensagem enviada com sucesso