>

06/11/2020

PCPB: sem concurso há 12 anos, categoria cobra novo edital

O Estado da Paraíba precisa de um concurso PC PB, segundo a Associação de Defesa das Prerrogativas dos Delegados de Polícia (Adepdel). De acordo com a categoria, a instituição não possui um novo edital há 12 anos.

Clique aqui, faça o seu cadastro e receba conteúdos
exclusivos para Carreiras Policiais

Desta forma, no dia 29 de outubro, a Adepdel iniciou, em Campina Grande, uma série de reuniões com os delegados da Polícia Civil da Paraíba. O objetivo é discutir os problemas que a instituição enfrenta.

Segundo a categoria, estão entre eles: o não cumprimento da Lei do Subsídio por parte do Governo do Estado; ausência de concurso público; e falta de valorização profissional.

“Não dá mais pra continuar assim. Trabalhar até morrer ou morrer de trabalhar”, ressalta o presidente da Adepdel, Steferson Nogueira.

O concurso PC PB é uma demanda antiga no estado. Em 2019, o secretário de Estado da Segurança e da Defesa Social da Paraíba, Jean Nunes, confirmou que estudos para um novo edital estavam sendo realizados.

No entanto, quase um ano depois da promessa, o concurso ainda não se tornou uma realidade para a PC PB. Na época, o secretário afirmou que precisaria do aval do governo e da equipe econômica do estado.

Último concurso PC PB ocorreu em 2008

O último concurso PC PB completou 12 anos, ele foi realizado em 2008. Na época, foram oferecidas 1.162 vagas, sendo 909 de nível superior e 252 de nível médio.

As oportunidades de nível superior foram distribuídas pelas carreiras de:

– delegado de polícia (33 vagas);
– perito oficial criminal (35);
– perito químico legal (16);
– perito médico-legal (26);
– perito odonto-legal (16);
– agente de investigação (569); e
– escrivão de polícia (214).

Já as vagas de nível médio foram para os cargos de papiloscopista (cinco), técnico em perícia (24), necrotomista (24) e motorista policial (200). Os ganhos variaram entre R$1.231,20 e R$4.822,54.

O concurso teve o Cebraspe como organizador. Já os candidatos foram avaliados por meio de provas objetivas, discursivas, exames médicos, Teste de Aptidão Física (TAF), avaliação psicológica e prova de títulos.

Na primeira etapa, os candidatos tiveram que responder a questões de Conhecimentos Básicos e Específicos, sendo necessário acertar, pelo menos, 50% dos pontos de cada área de conhecimento para ser aprovado.

O concurso ficou válido por dois anos, sendo prorrogado por mais dois anos. Neste período, os candidatos aprovados foram convocados e contratados conforme o regime estatutário, que garante a estabilidade do servidor.

Fonte: Folha Dirigida
Tags:

Mensagem enviada com sucesso